Como é o Currículo Ideal para cada área: Exatas, Humanas e Biológicas

Entrar no mercado de trabalho é uma tarefa que qualquer um que busca subir na vida precisará fazer. O caminho entre a própria mesa e a realização profissional, no entanto, passa, invariavelmente, por uma folha de papel: o currículo.

Mesmo que ele, a princípio, seja apenas virtual (poucas empresas pedem para o candidato levar o documento impresso em entrevistas), o currículo continua sendo a porta de entrada para qualquer mortal que tente uma oportunidade na carreira e mantém-se como um compilado de informações relevantes sobre a trajetória daquele que almeja uma chance.

A única diferença, porém, se dá no formato do currículo e a disposição das informações contidas nele. E se você acha que é irrelevante organizar o texto naquele que é o seu cartão de visitas profissional, talvez seja válido rever seus princípios.

Para começo de conversa, recrutadores dificilmente leem currículos com mais de duas páginas. Na opinião de boa parte deles, as informações principais de um documento deste porte podem, sim, ser condensadas em tal espaço.

Afinal, na lógica dos analistas de RH, apenas as últimas experiências e os conhecimentos técnicos mais significativos são dignos de atenção. Além disso, para eles, alguém que não sabe falar, em poucas linhas, sobre si mesmo, dificilmente atenderá a uma das principais demandas do mercado: a capacidade de ter uma atitude prática, eficiente.

Além desse aspecto, outro ponto importante na organização das informações de um currículo é o português (ou inglês, ou espanhol, ou o idioma que for). Erros gramaticais são intoleráveis e eliminam qualquer um logo de saída.

Como sabemos que você não é um desses casos e que veio aqui saber das particularidades do currículo de cada profissão, vamos ao que importa! Confira!

Currículo da área de Exatas (Engenharia, TI, Física, Matemática e afins)

Exatidão. Literalmente. Um currículo de um profissional de Exatas precisa ser o mais específico possível, sem deixar margem alguma para dupla interpretação ou faça o recrutador não entender, de imediato, se aquele candidato sabe ou não fazer o que a vaga pede.

Isso pode soar óbvio, mas se pensarmos que um profissional de Exatas vai lidar com questões pragmáticas e, no caso de Engenheiros e Analistas de Tecnologia da Informação, mexer com softwares complexos e voltados especialmente à suas atividades, faz mais sentido.

Assim sendo, é fundamental colocar no currículo todos os conhecimentos técnicos que possui, nem que isso ocupe metade da primeira – e valiosa – página. Conforme dito acima, enumerar todos os programas de computador que souber usar, bem como os projetos desenvolvidos com base neles (ou os tendo como referência).

Na parte das experiências profissionais de fato, é válido ser um pouco mais prolixo, detalhando as atividades que exerceu nos empregos pelo qual passou, os cargos que ocupou e período neles, como em qualquer currículo – sem ultrapassar as duas páginas, claro.

O currículo ideal de um profissional de Exatas é objetivo e minuciosamente detalhado - sem ser prolixo

O currículo ideal de um profissional de Exatas é objetivo e minuciosamente detalhado – sem ser prolixo (Foto: Pixabay)

Currículo de Humanas (Comunicação Social, Economia, Direito e afins)

Aqui a regra dita acima pode ser parcialmente esquecida. “Parcialmente” porque, evidentemente, profissionais de Humanas também têm de saber usar alguns softwares muitos específicos de suas práticas cotidianas e ter conhecimento em alguns deles se torna um diferencial – e tanto – no competitivo mercado que eles encaram.

Entretanto, se por um lado é interessante ter cuidado com isso, é salutar também colocar apenas os programas mais relevantes. Por exemplo: se você souber editar vídeos e sabe como usar um Final Cut, não coloque no currículo que sabe mexer em um Windows Movie Maker.

O primeiro é tão complexo que apenas pode ser usado em computadores da Apple. Já o segundo é tão simples que vem grátis no Windows e tem funcionalidades tão simples que poucas horas de prática são suficientes para entender como usá-lo para edições audiovisuais.

Com relação ao detalhamento das experiências profissionais, a regra é a mesma: explique ao máximo as experiências que teve e os cargos que ocupou. Neste caso, ser um pouco mais exato é bastante bem visto, já que nem sempre o recrutador sabe ao que você se refere quando, por exemplo, diz ter sido um Analista de Qualquer Coisa.

Ainda com relação aos profissionais de Humanas, em especial quem trabalha com funções artísticas e criativas (Design, Publicidade, Cinema), produzir um portfólio com os trabalhos realizados é praticamente obrigação.

É nele que seu peixe será, literalmente, vendido: ali é provado ao recrutador se tudo o que está escrito em seu currículo corresponde à realidade, ou se gastou toda sua energia produtiva para ser convincente só na teoria.

Currículo de Biológicas (Medicina, Biologia, Veterinária, Odontologia)

Com relação ao currículo de Biológicas, pouca coisa muda em comparação aos outros dois já descritos. O ponto principal talvez seja a necessidade de, antes de qualquer currículo, o profissional estagiar na área (ainda durante o curso), para vivenciar a profissão que irá exercer.

Não há área mais decisiva para o ambiente e o ser humano, algo que, nada mais, nada menos, representa a vida. Por isso, mais do que escrever o que sabe fazer no currículo, é necessário ter tido as mais variadas vivências ainda nos primeiros anos de profissão.

Assim sendo, o currículo de alguém da área de Biológicas precisa ter todos os cursos feitos, residências passadas, especializações realizadas.

Por mais que soe incomum, um profissional de Medicina, Veterinária, Odontologia e outras tem que, de qualquer forma, sair com o diploma na mão e alguns passos já andados na carreira.

Deve também, evidentemente, ter a proatividade de se aperfeiçoar ininterruptamente e estudar sempre, porque a natureza nunca para de evoluir e mudar sua configuração. Saber como adaptar-se aos diferentes contextos é, em miúdos, o próprio currículo desse profissional.

Dúvidas? Comente!

Encontrar uma boa oportunidade no mercado de trabalho passa, necessariamente, pelo currículo, conforme frisamos no texto. Mas antes dele há a consciência do seu valor profissional, dos seus pontos fortes e do que você acredita, realmente, que tem para oferecer ao mercado.

Um currículo bonito ou feio têm o mesmo valor se você não corresponde com o que escreveu no documento: nenhum. E jamais cogite mentir, porque reverter o prejuízo a sua reputação quando descobrirem levará muito tempo.

Se tiver ficado alguma dúvida ou tenha um (ou vários) ponto(s) que gostaria que explorássemos melhor, escreva nos comentários!

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *