Franquia do Subway vale a pena? Veja quanto gastar e o retorno

Abrir o próprio negócio, do zero, sem patrões e botando em prática uma ideia criada por si mesmo é o sonho de todos que têm uma veia empreendedora. O caminho entre o início de tudo e o sucesso, porém, é árduo e nem sempre acontece. Por isso muitos recorrem às franquias para sentir o gosto de ser um empresário.

Dentre as opções disponíveis no mercado, talvez a mais comum seja a do ramo de alimentação, em especial os fast foods, cuja tradução literal é “comidas rápidas”. E o conceito é justamente esse: uma refeição preparada e servida de forma ágil, em porções menores, mas mais calóricas, para saciar o cliente em curto e, no máximo, médio prazo.

Muito comuns em shoppings centers, os fast foods brasileiros hoje não se resumem apenas a hambúrguerias e pizzarias, conforme sempre foi tradição. Inegavelmente elas são ainda as mais populares entre o público, mas de uns tempos para cá, não são, de forma alguma, as únicas opções.

Desde 1993 presente no mercado, o Subway, fast food de sanduíches naturais e saudáveis, disputa esse nicho de mercado com franquias do porte de McDonald’s, PizzaHut e Bob’s, para citar três, dos mais conhecidos.

Conheça todos os detalhes de como abrir uma loja do Subway, quanto investir para iniciar o negócio e em quanto tempo é possível ver o lucro saindo do forno!

Como abrir a franquia

No site do Subway há uma seção exclusiva dedicada aos interessados em abrir uma franquia da loja. É necessário, logo de saída, preencher um formulário com informações pessoais do interessado, bem como de seu cônjuge (esposa ou marido), caso o tenha.

São solicitados os dados mais comuns, como nome, endereço, CPF, data de nascimento, naturalidade, entre outras. O formulário também pede para que se responda sobre antecedentes criminais, se o interessado já foi processado e até se esteve envolvido com terrorismo.

A segunda parte do cadastro pede informações sobre o nível de escolaridade do potencial franqueado, experiência profissional, rendimentos financeiros (passados, atuais e projeções do futuro próximo) e referências de antigos empregos ou empregadores.

Traçado todo o perfil pessoal e profissional, o Subway pede também para que se preencha informações sobre possíveis sócios que possam entrar na empreitada (algo muito comum neste meio). Os dados solicitados são menos complexos do que aqueles pedidos ao “dono” da franquia, mas nem por isso menos importantes.

Quanto custa investir

Ainda no formulário de inscrição, o Subway pede para que o possível franqueado diga quando pretende começar o negócio, dando até opções para escolha: imediatamente, dali seis meses, entre seis meses e um ano e mais de um ano.

Depois, solicita ao interessado que responda quanto de seu tempo pretende dedicar ao novo negócio, dando também opções: nenhum envolvimento (o que soa até estranho), envolvimento parcial e envolvimento pleno, ou seja, o potencial franqueado planeja dedicar todo o seu tempo à franquia que almeja abrir.

Para início de conversa, no entanto, tem de se ter capital, dinheiro para tudo isso tomar forma e começar a operar. O investimento inicial pode variar de cerca de R$ 180 mil a R$ 600 mil, dependendo do tamanho do ponto comercial do possível franqueado.

Lojas de apenas 30 metros quadrados, por exemplo, exigem valores mais enxutos, porém, tendem a demorar mais para dar lucro. Inclusive, essa é uma preocupação que qualquer franqueado que se preze deve ter desde sempre, uma vez que também é exigido deles uma taxa para operar uma loja cuja marca pertence a outro empresário.

No caso do Subway, uma marca dos EUA, o valor é cobrado em dólares (que hoje, fevereiro de 2016, está valendo R$ 4, ou seja, deve-se multiplicar esse valor por quatro): US$ 10 mil têm de ser desembolsados para começar a vender seus sanduíches naturais.

As taxas de royalties (direitos sobre os produtos comercializados, que foram criados pelo dono da marca) e de publicidade também devem entrar na ponta do lápis. No caso da primeira, é cobrado algo em volta de 8% do faturamento líquido da franquia.

Já a taxa de publicidade custa ao franqueado cerca de 4,5% do lucro líquido, valor que parece irrisório, mas no primeiro momento tende a apertar um pouco o sapato do empresário franqueado.

Com menos de R$ 200 mil é possível se tornar um franqueado do Subway e ter os primeiros lucros em um ano e meio

Com menos de R$ 200 mil é possível se tornar um franqueado do Subway e ter os primeiros lucros em 18 meses  (Foto: Divulgação)

Qual o retorno

Após o período de cadastro e investimentos, começa o trabalho e a bonança (se bem administrada a franquia, evidentemente). Uma loja do Subway prevê lucros e recuperação do investimento entre apenas um ano e meio depois de aberta e dois anos.

Parece muito tempo, mas analisando a burocracia para abrir o negócio e o capital investido para que ele se torne realidade, é quase nada. Mesmo porque, 18 meses passam rápido para alguém que precisa administrar o caixa da loja, os funcionários, o estoque e ainda se manter atrativo para o público consumidor.

O faturamento médio mensal que tende a ter um franqueado da Subway é outro fator que corrobora o argumento de que um ano e meio para ter lucro é pouco: R$ 65 mil por mês ganha alguém que investe em uma franquia da loja de fast food norte-americana.

Fazendo uma conta simples e levando em consideração o capital de giro, ou seja, o valor que o empresário precisa ter em mãos todos os meses para bancar as despesas do negócio, algo em torno de R$ 10 mil, ele tem “sobrando” em suas mãos R$ 55 mil por mês.

Se gastou R$ 180 mil para abrir a loja, mais R$ 40 mil para usar a marca, em quatro meses de absoluta bonança o franqueado quita seu investimento. Levando em conta os quase R$ 10 mil (aproximadamente) pelos royalties e taxa de publicidade, despesas mensais, esse período se estende para seis meses, em um cenário bastante otimista.

Conseguir pagar o investimento inicial, já colocando na conta as despesas fixas com direitos de comercialização e propaganda, em seis meses, é um ótimo negócio. Se vale a pena para os seus objetivos profissionais e está dentro do seu planejamento para subir na vida, dependerá de sua análise.

Dúvidas? Pergunte!

Trabalhar como um franqueado exige menos trabalho do que criar uma marca própria e desenvolver uma ideia inédita, porém, também pede desprendimento emocional do negócio, pelos mesmos motivos, afinal, o empresário estará ajudando a fortalecer uma empresa que não é a dele.

Por outro lado, pode ser o início de uma parceria que pode render frutos por muito tempo e servir como um vestibular para o momento de o empresário, de fato, criar o seu empreendimento original.

O fato é que não há verdades incontestáveis quanto às vantagens e desvantagens de abrir uma franquia do Subway. Por isso existe o espaço para comentários no fim da página.

Ficou alguma questão sem reposta? Pergunte! Surgiu outra dúvida enquanto lia o material? Pergunte!

Comentários
  1. kamel
  2. Pedro Jose
    • adminsnv

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *