3 motivos para trabalhar com o Uber

Do dia para a noite, o Uber virou o assunto mais falado do Brasil, seja por bons motivos, ou pelos piores possíveis. Começando pelo lado ruim da força, os críticos do aplicativo o acusam de ser desleal com a concorrência e até ilegal.

Já os entusiastas do serviço o consideram o empurrão que faltava para tornar os serviços de táxi melhores, com preços mais justos, e uma opção a mais em um mercado dominado por apenas uma categoria de trabalhadores, o que configura um monopólio, algo mais nocivo, do que benéfico ao consumidor.

Agora, o que poucos pararam para pensar até agora é que o Uber é mais uma alternativa para tornar qualquer um o próprio chefe, trabalhando por sua conta e risco, empreendendo e fazendo a economia girar.

A despeito de toda a polêmica envolvendo o aplicativo, nós do Suba na Vida apoiamos qualquer iniciativa que vise o crescimento profissional de alguém e vamos listar 3 motivos para você passar a viver dos quilômetros rodados com seu carro do Uber

1. Dar, momentaneamente, adeus ao desemprego

O país está em crise, todo mundo sabe. Essa crise irá passar em algum momento, isso também todo mundo sabe. Porém, quando isso acontecerá é uma incógnita e deixa muita gente angustiada.

Para se livrar desse sentimento ruim e que não ajuda em nada, o melhor a se fazer é se movimentar. Se o Uber tem sido bem aceito pelo público (exceto os taxistas, claro) e tem gerado demanda, é um mercado a ser explorado, portanto, merece atenção.

Enquanto não aparece nenhuma oportunidade em sua área de atuação, ser motorista do Uber pode render ao menos um dinheiro para as contas mais básicas e ainda te manter em atividade – além de te proporcionar conhecer uma porção de pessoas…!

2. Aprender como atender bem um cliente

O ponto forte do Uber não é o preço – apesar de também ser um atrativo. É o serviço prestado, o atendimento ao cliente, a atenção aos mínimos detalhes. Qualquer um gosta de ser tratado como rei quando contrata um serviço e é nisso que a empresa se foca.

Oferecer balinhas e água ao passageiro, deixá-lo à vontade para escolher a estação de rádio que quer ouvir e ter um carro com ar condicionado não deveria ser algo a ser vangloriado, mas no contexto em questão, é.

Em primeiro lugar, porque até o Uber chegar, o único modo de conseguir uma “carona” com um desconhecido era pedindo um táxi. Esse monopólio fez acomodar a categoria em questão, que trata o passageiro como apenas mais um que quer se locomover de um lugar para o outro, não um cliente que contrata um serviço.

A chegada do Uber ao mercado estremeceu alicerces que nunca haviam sentido tamanho impacto: e isso é definitivo (Foto: Divulgação)

A chegada do Uber ao mercado estremeceu alicerces que nunca haviam sentido tamanho impacto: e isso é definitivo (Foto: Divulgação)

Aquele que se torna motorista do Uber, portanto, precisa logo de saída saber que terá de ter alguns diferenciais para desbancar os taxistas. Assim sendo, tratar o passageiro como se dependesse dele para viver é fundamental (e de fato é mesmo).

Ao trabalhar em uma empresa onde o atendimento ao cliente é a filosofia, qualquer um sai de lá sabendo a real importância disso. E pode usar a vivência posteriormente, quando a crise passar.

3. Observar melhor as oportunidades do mercado

Um dos maiores erros de um profissional já formado e consolidado em sua carreira é fechar os olhos para as possibilidades de aperfeiçoamento e estagnar, estacionar em um ponto. São nesses momentos que alguém um pouco mais esperto toma seu lugar no mercado.

Foi isso, aliás, que o Uber fez (e tem feito) com os taxistas: observou uma brecha em um serviço, uma plataforma tecnológica eficiente e apenas ocupou ambos os espaços.

Se o próprio serviço, aliás, não se mantiver atento às tendências (que mudam sempre) e ao comportamento do público (seu e da concorrência), logo é superado por alguém que, baseado nele, cria algo mais sofisticado e eficiente.

Assim sendo, trabalhar para o Uber seria, acima de tudo, uma experiência de vida, que ensinaria a não se acomodar na vida, criando a consciência de que tudo e todos podem ser superados em algum momento.

Se for realmente um plano seu se tornar motorista do aplicativo, desenvolva desde já o exercício de pensar “fora da caixa”, expandir seus horizontes. Será muito importante daqui em diante.

Dúvidas? Pergunte

Não há verdade absoluta em tudo o que escrevemos, mas são pontos que, por serem menos objetivos, passam despercebidos por qualquer um que planeja virar um colaborador do Uber.

Hoje o mundo tem mostrado que não há mais espaço para aqueles que só pensam no lucro, esquecendo de inovar seu próprio negócio e de enxergar o cliente como peça fundamental em seu sucesso.

Tenha este conteúdo mais como lições para sua vida profissional em geral, do que dicas para se dar bem sendo um motorista do Uber. Conforme pontuamos ao longo do texto, o grande trunfo do aplicativo foi ter aproveitado lacunas não preenchidas por quem já estava no mercado.

Caso tenha ficado alguma dúvida ou tenha algo a acrescentar, use o espaço dos comentários!

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *